sábado, junho 19, 2010

Cordas de violino

Num correr de cordas de violino desfiei a minha vida. Altos e baixos, montanhas russas, paisagens portuguesas, aspirações universais. Contemplei a Natureza e não estavas lá. Virei-me para as construções humanas e tudo me soava a oco. Recorri a Deus e o conforto inicial desembocou em desencanto. Rodeei-me de gente, muita gente. Festas, contactos, redes. De amigos e de Amigos. Ouvi Grieg, Bach, Elgar, Rachmaninov e em todos descobri uma constante: a Busca. Sigo hoje buscando em me buscando. Porventura será um caminho sem fim, uma estrada sem retorno ou mesmo um poço sem fim. Nada tenho a temer. Levo-te ao e no peito qual cintilante luzidio em estrela polar convertida. Carrego-te ao peito. És a minha cruz gostosa e benfazeja.

6 comentários:

Carla* disse...

Um texto tão bonito só podia ser acompanhado de uma música tão bonita. Canon in D, de Pachebel, está no meu top 10, e há-de sempre soar-me a suavidade, perfeição, não sei. Não sei classificar. Excelente.

Anónimo disse...

A poesia (em prosa) mais fina que li (e senti) nos últimos tempos!

Thank you!

Propositadamente oculto a minha identidade para possibilitar ao meu caro Amigo a oportunidade de equacionar o número de potenciais autores deste comentário e confortar-se com a íntima revelação de que são eles incontáveis :)

Um grande abraço!

filipelamas disse...

Obrigado aos dois.
Caro anónimo: não exagere nas palavras:) Apesar de saberem sempre bem:)

Anónimo disse...

Grande texto caro Amigo (pelo menos para mim és com "A grande"). Embora às vezes ache que não sou muito disponivel, embora o gostasse de o ser mais, como tu o és para mim. Enfim, lamechices, nada como um cheiroso e frutado branco da nova-zelândia para nos rirmos ;). Abraço

Anónimo disse...

Acho que a música chama-se Canon e é de J. Pachelbel. O Bach não entra aqui... Abraço

filipelamas disse...

Sem dúvida anónimo. O youtube é que tem destas coisas.