quinta-feira, janeiro 13, 2011

Desconcerto

Viver desconcertado

com a aurora da manhã,

com o sol da tarde,

com as estrelas da noite.

Passear pela cidade e

contemplar edifícios decadentes,

prédios luzidios e funcionais.

Deambular pelos rostos:

fartos de viver, uns,

sedentos de vida, outros,

irradiando calor, uns poucos,

encantados pelo bicho da vida, todos.

Por entre desabafos, sussurros e gritos,

ecoa um plano superior,

uma gaivota desagrilhoada no infinito,

um barco que faz cócegas ao horizonte,

uma criança que nos desarma a sorrir.

Contrastes, inquietações, sentimentos

poderosos de ter e não ter,

de poder e amar.

[Amar é poder ou somente poder amar?]

F.L.

3 comentários:

x disse...

é amar (simplesmente). um abraço. *

Baudolino disse...

é tudo (?)
devia ser
viva o excesso de amor

filipelamas disse...

:)