quarta-feira, junho 09, 2010

Early Night Post (73)


(...) não há país algum do mundo em que o amor não transforme em poetas os enamorados. Vejo que se fazem todos os dias para aí muitas coisas que não figuram no vosso livro [Bíblia] e que não se faz nada daquilo que o livro diz; confesso-vos que isso me surpreende e aborrece. Se precisais rodear-vos de tantas precauções, é porque não sois pessoas muito dignas. - Meu filho, tudo é físico em nós (...); toda a secreção faz bem ao corpo e tudo que alivia o corpo alivia a alma; nós somos as máquinas da Providência. Realmente, que é a história senão um quadro de crimes e infortúnios? A leitura alarga a alma e um amigo esclarecido dá-lhe consolo. (...) é preciso convir que Deus não criou as mulheres senão para domar os homens. Gosto das fábulas dos filósofos, rio-me das fábulas das crianças e odeio as dos impostores. A verdade brilha com luz própria e não se iluminam os espíritos com as chamas das fogueiras. Quer-me parecer que os juízos dos homens são muitas vezes movidos pela ilusão, pela moda, pelo capricho. Todos aqueles que se fazem perseguir por vãs disputas de escola me parecem pouco sensatos; os que os perseguem parecem-me monstruosos.

Voltaire, O Ingénuo, Vila Nova de Famalicão: Edições Quasi, 2008, pp. 26, 27, 30, 45, 48, 50, 51, 55, 61, 63.

2 comentários:

Baudolino disse...

Voltaire, nada ingénuo...

Carla* disse...

De facto, conciliar as palavras «Voltaire» e «ingénuo» no mesmo espaço é no mínimo... curioso. ;)