sábado, maio 01, 2010

1.º de Maio, Rádio Festival e Fascismo


Porque é que um desgraçado que tem de trabalhar num sábado à tarde, ainda por cima a um feriado maliciosamente apelidado de "Dia do Trabalhador", tem de levar com uma vizinhança que, mau grado habitar a algumas casas de distância, nos deleita (palavra adequada para moi même) com pérolas da Rádio Festival em altíssimos berros?
Porque é que quando Deus (ou whoever) distribuiu o civismo, alguns estavam fechados em bunkers preparados para guerras atómicas de 3.ª geração (ou será já de 4.ª, fazendo o paralelo com os telemóveis?)?
E, claro, como não pode o País - dizem, mas deve ser mentira... mais uma jogada suja da oposição anti-patriótica que conspira com o Presidente da República... - estar em estado de pré-bancarrota quando exactamente no Dia do Trabalhador não se faz nenhum? E não me digam que o feriado existe em muitos outros Estados, pois cada um sabe as linhas com que se coze... E não será por acaso que o 1.º de Maio também se celebra na... Grécia! Imaginem! Ele há coincidências...


Declaração de intenções (talvez a ter sido colocada a abrir o post): não, não sou nem nunca fui fascista, fascizóide ou fascizante... Acho que deve ser o último hit do Tony Carreira que me está a por neste estado... pré-comatoso...

6 comentários:

Carla Ferreira disse...

Ah, Rádio Festival, esse poço de pérolas musicais... Até me dói, só de pensar... (aqui que ninguém nos ouve a minha mãe também é fã, por isso, compreendo essa dor.)

Baudolino disse...

Coragem... Já apanhei duplas sertanejas e coisas quejandas que me levaram a uma alopécia quase integral! Agora só tenho uma banda de garagem na rua mas o investimento no isolamento da casa compensa. E é de um filho de um comissário da polícia... ambém deve haver disto na Grécia...
abraço

filipelamas disse...

Agora de noite, a coisa acalmou... Costuma ser mais ao sábado à tarde.
Vamos lançar daqui o MOCORAF (Movimento Contra a Rádio Festival)?

Carla Ferreira disse...

Ah, eu percebo porque é que é ao sábado à tarde (e de manhã, também): é que é dia das limpezas! Por mim, lançamos já esse movimento! É que já não posso ouvir os discos pedidos e os fadinhos! Já agora também podia pensar-se num movimento anti-kizomba aos berros, também tenho disso aqui na vizinhança. (eu desde que vi um CD de Kizomba com "hits" da Amália, nunca mais fui a mesma.)

MonteCristo disse...

Sorte a sua que só tem que escutar esses maravilhosos hits no 1º de Maio. Aqui por casa entre essa e a rádio de Matosinhos, sábado de manhã é garantido.

Anónimo disse...

Rádio Festival, fadunchos e música africana a altos berros? Já apanhei com tudo isso em vésperas de exames. A coincidência estranha é que em 2 dessas situações tinha Processo Civil à minha espera no dia seguinte. Era de ficar com os artigos do CPC a dançar dentro da minha cabeça...

Diz-se que uma boa táctica para pôr cobro a situações dessas é retaliar com música do nosso gosto num volume ainda mais alto, até que os do lado de lá se "rendam".